24.5.14

Um rio nocturno, interminável

(...)

Este amor meu é como um rio; um rio
Noturno interminável e tardio
A deslizar macio pelo ermo

E que em seu curso sideral me leva
Iluminado de paixão na treva
Para o espaço sem fim de um mar sem termo.

Vinicius de Moraes

(Dois tercetos do Soneto do amor como um rio)