28.2.15

O mais alto dos céus

Paul Klee, Sol nascente, 1907
A Saulo de Tarso, após ter sido elevado ao mais alto dos céus, foi-lhe colocado no corpo um espinho, que o atormentava continuamente, para que não se envaidecesse com a grandeza do que lhe havia sido revelado. A minha força manifesta-se melhor nas fraquezas, afirmou, na carta que escreveu aos Coríntios. O amor revela-se de forma que Saulo poderia ter descrito com as mesmas palavras. Mas se para ele a experiência da elevação foi única e a da dor, permanente, quem ama sabe que permanente é a tensão entre os dois estados: o cume e o abismo. Mas talvez o espinho neste caso seja cá colocado para servir de referência à elevação. Quando me sinto fraco, então é que sou forte. E apenas acolhendo integralmente a fraqueza, se atinge a plenitude da força.