10.5.15

Esclarecido: a verdadeira origem disto, dos blogs

Em tempos, tomou-se por aqui a opção de usar o termo blog em vez de blogue.  Retomo os argumentos elencados na altura:

A palavra blog foi escrita pela primeira vez em 1999, pela mão de Peter Merholz, a partir do termo weblogcontracção de web e log (registo na web), criada dois anos antes por Jorn BargerWeblog estava mesmo a pedir que o partissem novamente ao meio e Merholz fez-lhe a vontade, ao escrever we blog no seu espaço na web. O we desapareceu depressa, ficando simplesmente blog. Que é uma bela palavra, curta e genuína, de que descobri que gosto mais do que de blogue. Daqui para a frente, se os estimados leitores não se opuserem, volto a usar blog

Aí há uns dias, ainda não totalmente satisfeito, e à procura então do motivo de se usar log para se designar um registo periódico de acontecimentos, concluí que a origem é náutica, isto é, que corresponde ao livro onde se apontava a velocidade do navio, medida por efeito de atrito de um flutuador que seguia atrás deste, preso por uma corda com nós feitos a distâncias regulares; devido ao atrito com a água, este flutuador ficava relativamente imóvel à superfície. Medindo o número de nós que eram largados durante determinado tempo para permitir que o flutuador não fosse arrastado, ou seja, contando o número de nós saídos do navio no período de medição, o sistema permitia obter uma estimativa da velocidade. 

Ora esse dito flutuador, que em inglês tinha o nome de log (originalmente seria algo como um toro de madeira), tem em português o nome de batel. O log é um batel. Logo, um web log é um batel na web, na teiaEu sugeria abreviar simplesmente para batel. O b inicial já lá está, para não se estranhar tanto a mudança de blog.

Não vou afirmar, desta vez, que passo a usar o termo batel para designar blog.  Nada de fundamentalismos, por cá. Mas, uma vez por outra, quem sabe, se a maré estiver de feição, talvez aqui se navegue em tal embarcação.