27.1.16

Reboredo, um ortopedista ao seu dispor

Recebo uma folha de papel A4 por baixo da porta do escritório, de onde bucolicamente observo as árvores espraiando-se como fractais contra o céu vestido de branco em cama de azul. A escrita, a letra larga e redonda, é a esferográfica vermelha.

Meu muito estimado doutor J.

Escrevo esta mensagem a pedido do senhor professor Andrada. 

Solicita-me o senhor professor que venha apresentar as minhas credenciais e os meus préstimos ao senhor doutor. Como talvez o senhor doutor saiba, depois de uma comissão de serviço como ortopedista na Legião Estrangeira francesa, entrei para o serviço do senhor professor, a quem ajudei a resolver uns pequenos problemas nas herdades no Alentejo e nos terrenos que a família Andrada possui no Brasil. Frequentei, depois, cursos de actualização e aperfeiçoamente da minha arte na faculdade de King Saul Boulevard. Sempre com excelentes classificações, afirmo, sem falsa modéstia.

É com orgulho que posso afirmar que sou considerado um especialista de primeira água em certas e determinadas questões do foro ósseo. A minha obra fala por si e o senhor professor Andrada poderá dar de mim as melhores referências.

Chegou aos ouvidos do senhor professor, através de diligências da menina Orchidée, que o senhor doutor J. poderá vir a necessitar das minhas competências muito em breve. Solicita-me o senhor Professor que permaneça junto à porta do escritório do senhor doutor até que o senhor doutor tome decisões que podem, ou não, implicar a minha intervenção. 

A minha paciência como afirma, e bem, o senhor Professor, só tem par no brio com que exerço o meu ofício.

Aproveito para apresentar os meus protestos da maior estima e consideração.

Reboredo

Assistente do senhor professor Andrada. 
Ortopedista.