29.1.17

ocupação precisa do espaço

Kazuo Nakamura, Espaço Interior, 1954
há um momento preciso
em que a fronteira
entre o nosso espaço interior
e outro espaço interior
é abolida

à fluência entre os espaços
unificados
chama-se então

amor