13.1.17

weblog [prova devida]

peço o café ao Senhor Desconhecido: café cheio, sem açúcar, com colher. passados segundos, aparece o Senhor Variações com a chávena a fumegar e um raspanete pronto: eu já cá vinha trazer. ups, fiz o meu primeiro erro de sexta, treze, penso. mas foi o melhor café tirado pelo Senhor Variações até hoje. senti-o atingido no brio: afinal, de que servem os dotes de vidente, se o freguês pede o café a um colega qualquer de primeiro dia. há coisas que ferem um homem! e eu sento-me a beber o excelente café, mas impaciente, a meio escrevo esta missiva inconsequente à leitora, antes que ela pense que o escriba deste hebdomadário sumiu nalguma manhã de nevoeiro. meia chávena de café arrefece aqui à minha frente. ainda arrisco um segundo ralhete do Senhor Variações. o que eu não faço pela leitora!

[até usar dois pontos de exclamação no mesmo texto.]