20.2.17

Olhem para o que aconteceu ontem à noite, na Suécia

Recebo uma carta em papel digital do meu fornecedor de café em cápsulas, aquele que satisfaz a minha necessidade de cafeína na ausência de Donas e bailarinos de tangos por detrás de balcões. É este o teor:
«Caro Cliente,
Agora que o tratado de paz na Colômbia foi assinado, a [digníssima marca] orgulha-se de apresentar Aurora de la Paz, um café que esteve praticamente inacessível durante décadas. É o nosso espresso Limited Edition raro e especial, um Pure Origin da exuberante região de Caquetá.
Descubra-o.»
Se me perguntarem, direi que prefiro a paz à guerra, como pretexto. Em geral, prefiro a verdade à mentira, no que não será decerto exclusivo meu. Acima de tudo, creio que há pretextos escusados e, isso sim, pode ser uma peculiaridade minha.