10.3.17

O homem de voz profunda e calma

Durante anos a sua voz entrou-me pela sala profunda e calma, como um tio-avô, pleno de sabedoria e experiência do mundo. Quando agora me cruzo com ele no elevador, não é aquele que via no pequeno ecrã. Aparece-me pequeno, frágil, de pele translúcida e andar difícil. As horas, penso então, contamo-las pelos relógios. Os anos, são os outros que no-los contam.