10.3.17

O importante é a rosa

Passo por uma esplanada a meio da tarde e não paro, não vá a leitora pensar que a minha vida é esplanar. Mas para o meu olhar, que esse é um esplanador inveterado. E fixa-se no chapéu branco de abas largas, com uma rosa, abaixo do qual está aposto um sorriso que só posso descrever como de plena satisfação. Do sorriso sai o fumo onde noto, mesmo a esta distância, o aroma inconfundível da cigarrilha. Em cima da mesa, um cálice de vinho tinto. Quando regresso, vejo-a já a afastar-se da esplanada com passos cuidados, o movimento lento e ondulado das calças pretas rematadas por uns pumps vertiginosos. O chapéu branco a cintilar ao sol das cinco. Talvez tenha setenta e cinco, talvez tenha oitenta, a idade é desimportante para o caso. Importante é a rosa e o sorriso de contentamento, à vista de quem o queira ler.