5.3.17

O problema não é ela, sou eu

Ana Luísa Amaral fez uma tese de doutoramento sobre a poesia de Emily Dickinson. Eu sou apenas um leitor da poesia de Emily Dickinson. Ana Luísa Amaral ter-se-á angustiado horas infindas para achar os cem poemas de Emily Dickinson que optou por traduzir. Eu apenas me angustiei com as traduções de Ana Luísa Amaral, onde não acho a poesia de Emily Dickinson. Nem poesia alguma. Admito: o problema não é ela, sou eu.

The things we thought we should do
We other things have done
But those peculiar industries
Have never been begun –

The Lands we thought we should seek
When large enough to run
By Speculation ceded
To Speculation's son –

The Heaven, in which we hoped to pause
When Discipline was done
Untenable to Logic
But possibly the one –
Das coisas que entendemos querer fazer
Outras coisas fizemos
Mas essas diligências em concreto
Nunca foram sequer iniciadas –

As Terras que entendemos querer ver
Quando tínhamos fôlego
Cederam-se em Hipótese
A Hipótese deixada –

O Céu onde esperávamos repouso
Quando o Rigor se fosse
Tal não o prova a Lógica
Mas talvez seja isso –