20.3.17

Perdidos

Os telefones pousados em cima da mesa, a atenção centrada nas cartas. Quando passei por eles, o meu olhar prendeu-se nas moedas empilhadas. Esperaria vê-las numa mesa onde estivessem os respetivos avôs, não eles. Mas ali estavam ao final da manhã, com as mochilas de escola ao lado, olhar fero, gesto determinado. Perdidos no jogo. Ou antes, ganhos no jogo. Embrenhados num jogo real, daqueles onde perder dói mesmo. Tal e qual como na vida, fora daquela mesa, onde os telefones estavam pousados.