7.3.17

Quando eu tiver noventa anos

Vai ser preciso trabalhar sessenta e seis anos e quatro meses [sic] para me poder reformar sem penalizações, diz-me o telejornal da televisão independente. Faço rapidamente as contas: reformar-me-ei perto, muito perto, dos noventa anos. Vai ser uma festa bonita: noventa e reforma. Espero ter ainda muitos amigos, então, que me acompanhem nessa gloriosa dupla efeméride.