15.4.17

Adoram as pombas como deusas

Conta Ctesias, na sua História da Pérsia, que Semiraminis, abandonada em bebé no deserto, sobreviveu porque foi adotada por um bando de pombas. Eram as pombas que a protegiam, com as suas asas, do frio e do calor e que traziam no bico gotas de leite que roubavam aos pastores, sempre que estes desviavam o olhar. Quando Semiraminis começou a precisar de comida sólida, por volta de um ano de idade, as pombas debicavam queijo e traziam-no. Assim, Semiraminis, que viria a ser a mulher mais bela e mais poderosa do seu tempo se criou, até que os pastores, intrigados com as bicadas no queijo, procuraram a resposta no deserto, a encontraram e levaram. Foram eles que lhe deram o nome de Semiraminis, que deriva da palavra pomba em sírio. Desde então, os sírios adoram as pombas como deusas.