1.4.17

Criação e boa criação

A nove de junho de mil seiscentos e três, Samuel de Champlain participou numa cerimónia de vitória nas margens do rio Ottawa. Sentou-se com o Grande Sagamore, Besouat, em frente a uma fileira de espigões encimados com as cabeças dos inimigos derrotados, e observou como as esposas e filhas do Grande Sagamore dançavam diante deles, cobrindo a nudez apenas com colares. Depois da dança, a conversa voltou-se para a teologia. O Grande Sagamore disse a Champlain que há um único deus. Depois de ter criado todas as coisas, Deus colocou algumas flechas na terra e estas transformaram-se em homens e mulheres que povoaram a Terra. Champlain respondeu ao Grande Sagamore que esta era uma superstição pagã e falsa. Há de facto um único deus, mas depois de ter criado todas as coisas, tomou um pedaço de barro e fez um homem, e então tomou uma costela do homem e fez uma mulher. O Grande Sagamore pereceu duvidar, mas, seguindo as regras da boa hospitalidade, permaneceu em silêncio.