2.4.17

Uma dívida astronómica

Saio já tarde para prestar vassalagem ao sol. Deveria ter ido mais cedo, bem sei, mas perdi-me por aqui em minudências inconsequentes. O café breve não conta neste cômputo, creio eu. No balanço de súbdito solar acabo de ganhar mais uma dívida. Quando o verão chegar, terei que madrugar para conseguir pagar tal encargo acumulado, composto com juros especulativos. E talvez um verão só não chegue para saldar a soma astronómica que devo ao sol.