25.6.17

Desobediência civil

Virgílio deixou a dois amigos a tarefa de destruir a Eneida, por publicar. Os amigos desobedeceram. Kafka incumbiu Max Brod de queimar a sua obra. Brod, como se sabe, rebelou-se. Santa Rita Pintor pediu que lhe destruissem os quadros. Mais submissos, os amigos ainda deixaram algumas, poucas, pinturas. Estava eu neste elencar, a pensar como é que será neste mundo digital desmaterializado e lembrei-me: este blog, que fará um dia destes quatro anos [eu aviso, quando chegar a altura] tem algures nos rascunhos mais de três mil ex-posts. É certo que pouco há aqui de mérito, menos ainda de valor. Mas se um dia me quiser desfazer disto, faço um apagamento sistemático, um posticídio, ou deixo a palavra-passe e instruções a um amigo, esperando que faça o que eu não tenho coragem para fazer, e secretamente ansiando que seja um desobediente civil, tão meu amigo que não faz de certeza o que eu lhe pedirei veementemente para fazer?