25.6.17

Estoicismo dominical

Escreveu Cesário: «Nas nossas ruas, ao anoitecer, / Há tal soturnidade, há tal melancolia, / Que as sombras, o bulício, o Tejo, a maresia / Despertam-me um desejo absurdo de sofrer.»
Estou convicto de que os versos lhe apareceram a um domingo à tarde. A soturnidade e a melancolia a que se refere têm aroma dominical. Creio também que Cesário devia ser discípulo de Séneca. O desejo é absurdo porque o sofrimento já lá está. Abraçando os ensinamentos dos estóicos, Cesário vem anunciar que o que quer é o que tem. Nem mais. Anulando a vontade de ter o que não tem, atendo-se apenas ao que tem, vive numa agonia serena. Se me tornar estóico, começarei ao domingo. Tal é a soturnidade, tal é a melancolia, que ganho logo um avanço até pelo menos meio da semana. Se é para sofrer, que seja assunto sério.