11.6.17

Levado pelo apelo

«Frederico Lourenço vai estar a autografar a sua tradução da Bíblia no pavilhão da Quetzal», proclamava a Voz acima de todas as vozes. Estava perto, tenho o primeiro volume mas não o segundo: podia ter sido levado pelo apelo. As epístolas de Saulo autografadas por Frederico. Mas tal como aconteceu a Saulo, eis que uma luz forte me fez cair do cavalo. Tive a epifania do ridículo de ter uma Bíblia com assinatura e dedicatória de alguém, ainda que seja o tradutor. Felizmente, ao contrário de Saulo, ainda via a luz do dia. Continuei, como até ali, a fotografar capas de livros, que comprarei num raide noturno, quando a feira estiver a fechar, a temperatura for amena, e os autógrafos tiverem há muito cessado.