23.6.17

Vocês desculpem tocar nesse assunto

Vocês desculpem tocar nesse assunto, mas a verdade é que está morrendo muita gente, diria o Velho Braga. Em 2015 ocorreram 31.953 acidentes com vítimas, nas estradas portuguesas, 41.076 feridos, 473 mortos. Em 2015 aconteceram mais acidentes, mais feridos, menos mortos (felizmente), que em 2014. Em 2014, aconteceram mais acidentes, mais feridos, menos mortos (felizmente), quem em 2013. O facto de os carros serem mais seguros provavelmente ajuda a que se morra menos, mas não que existam menos acidentes, pelo contrário. Entre 2005 e 2015 morreram nas nossas estradas 6.694 pessoas, mais do dobro do número de vítimas do ataque às Twin Towers. Durante o dia de amanhã, pela estatística, deverão acontecer pelo menos 87 acidentes, dos quais resultarão pelo menos 112 feridos e pelo menos um morto. Não é decretado luto nacional, não são exigidas cabeças de ministros, não há pronunciamento de comentadores, não há notícias de abertura de telejornais nem pedidos de inquérito. Morrer na estrada em Portugal é tão banal, tão pouco digno de nota, como morrer na guerra civil em Aleppo. O pior é que a cada dia o número dos que estão no «lado de lá» vai aumentando, e se a gente demorar muito[*], diria o Velho Braga, por aqui acaba falando sozinho.

[*A deixar de banalizar a morte que não dá manchetes. O dados são da Pordata.]