31.7.17

Sem país

Continuo a escrever, sem país, sem liberdades, sem nenhuma segurança, quase sem esperanças e sem ti.
Continuo a escrever e não, não vou render-me.

[Maria Gabriela Rosas, poetisa venezuelana.]