12.9.17

O estranho caso do homem que bordava o nome completo no interior de um casaco barato

O nome é Reboredo, mas pode tratar-me apenas por Senhor Reboredo, um criado ao seu serviço. A profissão é ortopedista, se quer saber, especialista em ossos. Inteiros e ex-inteiros. Aqui tratam-se todos os ossos, de forma individualizada, pelo método Temperance Brennan, com a atenção que merecem. Ora, por exemplo, vamos lá ver a sua falangeta. Frouxinha, não está, mixuruquinha, que dor, que dó. Sabe que estalar os dedos faz mal, dez em cada dez ortopedistas desaconselham. Ora vê? Faz mal, confirma, não é? Aqui também se tratam os músculos. Ora deixe cá ver esse esternocleitomastoideo? Riqueza da sua avó. Ah, a luz? Muito forte? Pois é, é para o ver melhor, já dizia o lobo ao capuchinho, buh, bricadeirinha, só para rir. Doutor Porfírio Mascaranhas, é assim? Fez-me lembrar Mascarpone, sabe, aquele queijo que se usa no tiramisu. Falando nisso, que me diz se eu telefonar à Io a encomendar um tiramisuzinho, hein? Ou dois, até. Ajudava a passar a noite, parece que vai ser longa. Um tiramisuzinho ia que nem ginjas. Melhor ainda com elas, ora que me conta? Com elas, a preceito, vermelhinhas, como o glorioso. Já mandamos vir também do Rossio. Charters. A noite vai ser longa, como o nome do Doutor, Porfírio Manuel da Cunha Lencastre e Silva de Almeida Gonçalves Azeredo Mascarpone. Desculpe, Mascaranhas, pois um lapsus linguae, é latim, pois é. Linguae quer dizer língua, sabe o Doutor que isto da língua faz cá uma falta para cantar. Já sem língua... cantar é um problema. Dizem. O Doutor sabe cantar, não sabe? Não vale a pena negar que eu sei que canta como um rouxinol. Sabe aquela canção do Bob Dylan, o prémio Nobel, uma musiquinha chamada Man in the Long Black Coat. Ah, não sabe? E sobre casacos mais curtos, assim como o seu, sabe alguma modinha? Não. Pena, pena, pena. E de nomes bordados nos bolsos dos casacos, sabe? Assim nomes grandes como a noite, esta nossa noite, com tiramisu e ginjas e o Doutor a cantar? Vai ser que nem a Grande Noite do Fado. O que nos vamos divertir, Doutor. Ora eu vou dar o mote. Setenta e duas letras tem o seu nome, Doutor. Ora, meu amigo, um dos nomes está errado, porque a soma final devia ser setenta e três, que é número primo, primo do meu coração, o que eu gosto de primos, e não esse número banal, setenta e dois, demasiado divisível, três ao quadrado vezes dois ao cubo. Achava que passava, Doutor? Que ninguém notava, hein? Há um nome trocado, meu caro Doutor. E esse nome é a chave do segredo tenebroso da família Mascarpone, perdão, Mascaranhas. Está na altura de cantar a cantiguinha toda Doutor, sem falhar uma nota. Ora comece lá que eu dou o . Um, dois, ...

[Esta história está de tal forma atravessada, um tal polvo de referências tentaculares, que apenas Mr. Maltese Gipsy, himself, tem conhecimento de causa para a destrinçar.]