19.9.17

O meu paradoxo com os blogs

Apesar do carácter transitório, volátil, flutuante, de um post, que tem como destino inevitável desaparecer no fundo da página, que tende para o fundo do tempo, tenho para mim que os melhores blogs, ou aqueles a que volto com mais ânsia, ou aqueles que começo a ficar inquieto se levam dias ou semanas sem atualização, são precisamente os que mais se aproximam da intemporalidade, que por uma qualquer combinação mágica de talento, bom senso e bom gosto, conseguem, sei que conseguem, arrancar-me um ‘ah, caramba’ quer os leia agora, quer daqui a um ano ou três. São raros, delicados, preciosos, e ah, caramba, não sei sequer se o sabem.