24.4.18

A chave

Eis a chave para entender Borges [estava apenas semioculta na porta de entrada]: «É o mesmo argumento de outros contos meus; eu apresento coisas que parecem presentes, que parecem dádivas, e depois descobre-se que são terríveis.»

[A propósito de Funes, O Memorioso, o seu melhor conto — ou assim dizia ele que diziam dele. A chave para entender Borges é também a chave para entender a vida; apenas costumamos deixá-la perdida por aí, e surpreendemo-nos, até com algum júbilo,  quando a reencontramos.]