1.5.18

JFK

Andava perdido no aeroporto, não se entendia com as direções, não falava inglês, os olhos vagueavam ansiosos em busca de uma balsa, de salvação. Pelo chapéu, percebi que partilhávamos a mesma língua — depois entendi que nos cruzámos a meio caminho, em direções contrárias.

Foi antes do onze de setembro.

A mala era demasiado pesada para os anos que transportava aos ombros: carreguei-a. Livre já de cuidados, como um pássaro feliz, tagarelou o trajeto  todo até que o deixei, encaminhado, no destino intermédio — o deixei a ele, à mala e ao garrafão — um bem de tal modo precioso que nunca, sequer, o pousou.