24.6.18

A compreensão

«A compreensão torna a mente preguiçosa», afirma Edmund Brundish, o imaculado eremita de The Bookshop. Que dilema hamletiano. Será melhor percorrer a via que conduz à preguiça, pela ilusão efémera do entendimento, ou antes, buscar a inquietação, a suspeita de que nunca compreendemos nada verdadeiramente, mesmo aquilo que achamos que para nós já não tem segredos? Talvez o antídoto contra esta forma de preguiça seja concluirmos que o entendimento total nos é vedado, que permaneceremos sempre na fronteira do que é intransponível. A compreensão é ilusória, talvez seja isso que Brundish quer dizer. Por outras palavras, que é perante a desilusão que encontramos o caminho.