12.6.18

O recitador

Paulo Alves Guerra afirma que o «saudoso Manuel S. Lourenço» é um dos maiores recitantes de Álvaro de Campos e recorda-o, na Antena 2, em gravação que eu já conhecia e preferia não tornar a ouvir. Numa voz empastada, arrastada, numa dicção afetada e confusa, as palavras de Campos são trituradas por Lourenço como se delas quisesse fazer farinha e, depois, massa de pão. A limpidez não requer reprocessamento, contudo. M. S. Lourenço pode ter sido o tradutor de que Wittgenstein e Joyce precisavam para a língua portuguesa; mas Álvaro de Campos não precisa de tradução para a língua de Fernando Pessoa. Se lhe emprestarem uma voz, ao menos que seja a dele.