5.7.18

_

O inesperado para mim foi descobrir aquele livro na biblioteca, antes de me aperceber de toda a profundidade nela contida. Ali, naquele espaço povoado por volumes que eu quis, de imediato, numa inveja moldada em ganância, trazer comigo, estava a chave da alma de um homem, escondida à vista de todos. Com medo que a roubassem, tinha-a guardado no mais seguro de todos os esconderijos. De súbito ocorreu-me que são isso as bibliotecas: expositores seletivamente transparentes e opacos das vidas de quem as juntou. Não há lugares mais íntimos nas casas do que aqueles onde os livros se acomodam.