10.8.18

A seita

E às vinte descem à rua, em silêncio, de faces cerradas, embrenhados no ecrã do telefone, passos mecânicos, robóticos de tão pouco naturais, hesitam nos cruzamentos, olham, ansiosos, nas rotundas, apressam-se nas avenidas, e quando chegam ao destino avaliam a porta, espreitam pela janela, aguardam ser notados e suspiram de alívio quando aparece alguém a quem possam comunicar finalmente a senha secreta: «Tenho uma reserva.»