6.12.18

Tal qual o poeta do Chiado

«Cansaço assim mesmo, ele mesmo.» Nada há mais cansativo do que resistir ao cansaço, concluo, com surpresa e alívio. O cansaço é a cristalização do egoísmo, acena pela minha atenção como uma sereia. Na epifania, deixo-me, primeiro, envolver no vapor dele e depois, encontro-me a mergulhar, como se fora num lago cálido, inevitável. A minha vitória é a minha supremíssima rendição.