20.9.21

Faço a viagem de retorno com Strangest Thing — Live, de The War on Drugs, tão alto nos altifalantes que temo que o motor ecológico se passe para qualquer lado negro, em força. É como dantes, quando ficava na primeira fila dos concertos, tímpanos ao ritmo da bateria, desafiando futuro destino de surdez como Beethoven (pois porque cotejar com menos?). Falta apenas, no carro, o cheiro adocicado dessas primeiras filas de então. Rápida nota mental para procurar ambientador à base de cânhamo. Fazer jus ao nome da banda, mas não totalmente, não totalmente — e encaixando aqui breve chamada ao meu padroeiro, esse realista invejável, Santo Agostinho.